domingo, 27 de setembro de 2009

Indivíduo

Na mansidão de um dia vazio
Remontam-se as lembranças de um ontem inacabado.
Memórias cheias de peso,
Meio ao sorriso de quem corajoso e astuto foi.
Confundem-se os passados experimentados
No discurso de quem poeta é.
Engano e enfado àqueles que se encontram.
Cansaço da redundância de quem cheio de novidade está.
O destino incerto do um coerente e confuso
À frente oferece medidas impossíveis.
Tenta-se calar, ouvir, sentir e ver.

4 comentários:

Zeka Viola disse...

Tentar sempre!Talvez a poesia nos salve!

Bloco de Notas disse...

O brasileiro nao desiste nunca!

Lara Neves disse...

é um pouco dificil, mas um comportamento passivo vale mais nessas horas

"O destino incerto do um coerente e confuso
À frente oferece medidas impossíveis.
Tenta-se calar, ouvir, sentir e ver."

Bom saber q vc quer mudar!

NaNa Caê disse...

o peso de certas lembranças que nos joga para baixo