segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Escuso

O bom tom não aconselha a passagem
do que escondido se encontra para o reino
daquilo que se pode tocar.
Razoável sempre é manter oculto o que
tantos escolhem expelir.

E o que se externa é excremento e morte.
O que não precisa ou pode se aproveitar.
É escuso, inútil, feio e fétido.

Este continua a esconder o que sabe existir.
Haverá o momento, todavia, que impossível será
Sustentar sorrisos e exibir resignação.
Não há força, ou sabedoria, ou maturidade para tanto.

3 comentários:

Bloco de Notas disse...

Adorei, com certeza serah um dos meus preferidos!

Caponi disse...

ser forte, ser grande..

Zé Abrão disse...

não só não há força, maturidade e sabedoria, como que também não há saco ou cristão que aguente. Cara feia é mato.