quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Sufrágio

E que acusações são essas que à superfície aparecem e intentam roubar a lucidez da escuridão que tão em paz este abriga? Mentira é que o controle em tudo se porta e também que o silêncio volta a significar a bela tolerância dos dias antigos. Que o profundo está à margem de todos os corações habitados e a beleza nada mais é que o fustigo de um relance. Bem se soube que de lá nada haveria. Esperou, soube.

Temores laceram a imagem do glorioso. De outro reino belzebus aparecem a gritar suas posses. Caminhos não há. Não mais teorizada agora encontra-se a face da dor de olhos profundos, embaçados. Cala-se e o silêncio temido é tocado, sentido, saboreado, perdido. Mergulhado neste coração, mais um sufrágio em busca do todo.

O cinza à frente em seu deserto atemporal e insistente no não-calor promete nunca se esconder. À distância do horizonte sucumbe a esperar auxílio de outro a dizer ser nunca estar. Haverá que o caminho seguirá em trazer a si o precisado para um dia no norte crido chegar. Nesta já esteve. Ainda estará.

3 comentários:

Lara Neves disse...

Em uma coisa a dor nos serve. Belo texto!

Bloco de Notas disse...

O "precisado"..

Zeka Viola disse...

a si o precisado cridochegar. Belo!