quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Chuvosa

Mórbida noite frutífera em seu sono ausente. 
Acabam todos os doentes à luz anseiar teu rosto.
Imponente in-hesitante ao revelar sonhos não desejados.
Trabalho incansável à morte sempre a espreitar.
Solidão mentirosa na insistência de permanecer ligado.
Paira movimento desobedecendo à lei estabelecida.
Cativa corações por não-lugar sempre estarem.
Dores gera no nunca ser deixada marcando o lugar original.
Promessa há que no próximo diferente passo encontrar.
Se mais uma, ultrapassada no seu infinito de torpor.
Sabe-lá um dia o encanto findar
e Ela pra um a face revelar.
Decidindo consigo tomar
ao seu reino de dor
eternidade
e calor.

Um comentário: