sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Portas

Que coisa ver por estes olhos
O que os ouvidos sempre duvidaram.
E receber por estar portas 
O que não antes poderia ser crido.
Que coisa permanecer na dúvida da lógica 
Suplantada pelo desejo de viver.
Muito no Nada de uma claridade de calmaria desconhecida.

3 comentários:

Bloco de Notas disse...

Nao eh por que a maior parte dela seja cheia de problemas que nao exista tempos de abonancia..

Lara Neves disse...

"naosei"?! Soh tah com medo de nomear as coisas, mas ao menos isso te traz paz. Q bom!!!

rafasidarta disse...

Eu gostei...
Mas a brincadeira de duvidar de tudo muitas vezes cansa...